Denúncia: Medalhista paraolímpico é impedido de fazer exame em hospital

Tem coisas que o só o Brasil faz por você…Desrespeito total com as vidas e com o próximo

Segundo apurou o Globoesporte.com, Integrante da seleção brasileira medalha de prata de goalball nas Paralimpíadas de Londres 2012 e ouro no Pan-Americano de Guadalajara 2011, Filippe Silvestre viveu uma situação embaraçosa nesta sexta-feira. Deficiente visual, o atleta foi impedido de realizar um teste ergomético no Hospital São Vicente de Paulo, situado na Zona Norte do Rio de Janeiro, sob a alegação de falta de segurança para a realização do procedimento. O paratleta sentiu-se constrangido, lembrando que já fizera o mesmo exame em outras clínicas particulares. O hospital se defendeu, informando que não realizou o teste por medida de segurança.

– Fiz radiografia e audiometria no São Vicente de Paulo, mas, quando fui realizar o teste de esforço (ergométrico), a médica responsável pelo exame informou que eu não poderia fazê-lo pelo fato de eu ser cego. Me senti subjulgado e resolvi reclamar na ouvidoria do hospital. Uma pessoa não pode ser tratada dessa maneira pelo fato de ser deficiente. Não quero que outras pessoas iguais a mim passem pela mesma coisa – afirmou Filippe.

Realizado para avaliar as condições cardio-respiratórias do atleta, o teste ergométrico é feito ao menos uma vez por ano na equipe brasileira de goalball. O exame consiste em submeter o paciente a grandes cargas de esforço físico em esteira ou equipamento similar. Em 2013, cada integrante da seleção recebeu a incumbência de realizar o exame por conta própria, o que fez com que Filippe procurasse o São Vicente de Paulo.

Chateado com a situação vivida nesta sexta-feira, o paraatleta disse que ainda não pensou onde tentará realizar novamente o exame. Ele questionou o fato de a unidade hospitalar não ter tido um bom senso na situação.

– Se a esteira era perigosa, poderiam fazer o teste em uma bicicleta ou outro tipo de equipamento. Propus também que eu assinasse um termo de responsabilidade antes do exame, mas não aceitaram. Sinceramente, não acho que eu correria risco algum porque sou atleta e estou acostumado a correr – contou.

Procurado pelo GLOBOESPORTE.COM, o Hospital São Vicente de Paulo informou, por meio de sua assessoria de imprensa, que o teste não foi realizado por conta de medidas internas de segurança. Como possui um protocolo para previnir o risco de quedas, a unidade não realiza este tipo de exame em pessoas com limitação física. O São Vicente de Paulo lamentou ainda a reação do paraatleta, afirmando que a negativa, em momento algum, aconteceu por motivo de preconceito. Confira a íntegra do comunicado do hospital:

“O Hospital São Vicente de Paulo informa que não realizou o teste ergométrico no paciente Filippe Silvestre exclusivamente por medida de segurança. Mesmo sendo um atleta paralímpico, o paciente é portador de deficiência visual, fato este que o deixa mais suscetível ao risco de uma queda, durante a realização de exame em esteira. O Hospital São Vicente de Paulo tem certificado de Acreditação Hospitalar, conferido pela Joint Commission International e, portanto, adota uma série de protocolos técnicos de qualidade e segurança do paciente. Um desses protocolos refere-se à prevenção do risco de quedas. Prezando pela segurança de seus pacientes, o teste ergométrico no Hospital São Vicente de Paulo é contraindicado para pessoas com doença arterial coronária, arritmias não controladas, embolia pulmonar, hipertensão arterial grave, miocardite e periocardite agudas, qualquer enfermidade aguda, intoxicação medicamentosa, em gestação e pessoas com limitação física ou emocional. O Hospital lamenta a reação do paciente e reforça que em momento algum a negativa do exame foi motivada por preconceito.”