Copa 2014: MPF aponta falhas de acessibilidade ao novo Mineirão

O texto do Turismo Adaptado aponta algumas irregularidades no Mineirão. Mas será que é só o Mineirão?

Com sua inauguração, após passar por uma grande reforma visando principalmente a Copa do Mundo de 2014, o novo Mineirão se tornou alvo de críticas do Ministério Público Federal em Minas Gerais (MPF/MG), que apontou problemas de acessibilidade ao local.

Por meio de nota em seu site oficial, o MPF/MG destacou que “representantes do governo do Estado de Minas Gerais recusaram-se a assinar termo de ajustamento de conduta (TAC) para adequação das obras de reforma do Mineirão às normas de acessibilidade”. O órgão ainda enfatizou que o governo não assinou o documento com a justificativa de que “todas as obras serão realizadas espontaneamente”.

De acordo com vistoria realizada pela perícia técnica do MPF e do Ministério Público do Estado, o Mineirão “constatou vários problemas no estádio, entre eles, falta de lugares reservados em quantidade suficiente, nas arquibancadas, para pessoas obesas e com mobilidade reduzida; falta de demarcação no piso dos espaços reservados para cadeirantes e falta de assentos para acompanhantes”.

Em seguida, a nota oficial completou que “faltariam ainda guichês acessíveis nas bilheterias, telefones e bebedouros acessíveis, como também indicações de acessibilidade em elevadores, escadas e corrimões” e que “a própria sinalização do estádio não permitiria o deslocamento seguro das pessoas com deficiência, porque não há indicação da rota acessível”.

A procuradora regional dos direitos do cidadão em Minas Gerais, Silmara Goulart, criticou as falhas de acessibilidade do Mineirão, após ter participado da reunião que contou com a presença também do promotor de Justiça Rodrigo Filgueiras; do secretário Extraordinário da Copa do Mundo, Tiago Lacerda; do representante da Advocacia-Geral do Estado, Guilherme Naves; do representante da Secopa, Severino Braga; e do gerente de Operações da Minas Arena, Sílvio Todeschi.

“Um estádio de futebol moderno deve facilitar, e não dificultar, a vida do cidadão portador de deficiência. Afinal, a política de inclusão social, que fundamenta as adequações arquitetônicas em prédios e construções, também está no cerne da realização de eventos como a Paralimpíada, por exemplo. Por isso, é inadmissível que um estádio recém-reformado não esteja totalmente adaptado para, no futuro, eventualmente, vir a sediar esse tipo de evento”, disse Silmara Goulart.

Após as críticas do MPF/MG, os responsáveis pelas obras do Mineirão garantiram que a questão das arquibancadas já teria sido resolvida, com a reserva de 1% dos assentos para pessoas com deficiência e outro 1% para seus acompanhantes, assim como asseguraram que algumas das irregularidades apontadas pelo relatório técnico da perícia já foram corrigidas.

Severino Braga, por sua vez, minimizou o impacto dos problemas de acessibilidade apontados pelo MPF/MG, enfatizando que nesta sexta-feira acontecerá apenas uma “entrega simbólica do Mineirão”. Embora o estádio já tenha sido inaugurado, o local só receberá o seu primeiro jogo de futebol, após sua reforma, em 3 de fevereiro, com o clássico entre Atlético-MG e Cruzeiro pelo Campeonato Mineiro.

A inauguração desta sexta-feira teve a presença da presidente Dilma Rousseff e show da banda Jota Quest. O Mineirão é o segundo dos 12 estádios brasileiros que estão sendo reformados ou construídos para a Copa de 2014 a ser oficialmente entregue. O primeiro foi o Castelão em Fortaleza.

Fonte: Futebol Interior

Estádio Governador Magalhães Pinto, o Mineirão em Belo Horizonte