Novo projeto objetiva pesquisa e qualificação profissional para atender pessoas com deficiência

Foto da capa de uma carteira de trabalho

O Inatel (Instituto Nacional de Telecomunicações) será o responsável pelo Centro de Desenvolvimento e Transferência de Tecnologias Assistivas de Minas Gerais. O projeto faz parte de uma série de medidas anunciadas pelo governo do Estado que envolve pesquisa, qualificação profissional e empreendedorismo para atender pessoas com deficiência.

O Centro de Desenvolvimento e Transferência de Tecnologias Assistivas centralizará as pesquisas nessa área. Além de novos estudos, farão parte do Centro as ações já desenvolvidas pela área de Engenharia Biomédica do Inatel, como o Elevador Ortostático Dinâmico, que propõe um novo tratamento através da reeducação da marcha para pessoas com lesão de medula.

De acordo com o coordenador do curso de Graduação em Engenharia Biomédica, professor Fabiano Valias de Carvalho, a intenção do Centro é assumir a responsabilidade de desenvolver tecnologias para melhorar a qualidade de vida das pessoas com deficiência, envolvendo todo o escopo do Inatel.  “A intenção é que todos os cursos do Inatel sejam envolvidos no desenvolvimento dessas pesquisas e colocar a tecnologia e a engenharia a serviço da saúde. Com o Centro de Tecnologia Assistiva teremos o ambiente propício para uma forte produção acadêmica e científica, beneficiando a todos”, disse o professor.

O projeto em parceria entre a Secretaria de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (Sectes), o Inatel e a Prefeitura de Pará de Minas prevê ainda a criação de uma Incubadora de Empresas em Pará de Minas, que irá apoiar e orientar empresas de tecnologia focadas no desenvolvimento de produtos e serviços para pessoas com deficiência. A criação da Incubadora de Empresas será coordenada pelo Núcleo de Empreendedorismo do Inatel (NEmp), e inclui a capacitação de todos os profissionais que irão atuar neste empreendimento.

O coordenador do NEmp,  Rogério Abranches da Silva, após consultar a Associação Nacional de Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores – ANPROTEC, diz que provavelmente esta será a primeira Incubadora de Empresas focada em desenvolver empresas e soluções inovadoras para pessoas com deficiência do país. “O desafio é grande para todos os parceiros envolvidos e demandará muito trabalho, já que a tarefa é criar uma Incubadora profissional e altamente eficiente do zero e, isto implica também em desenvolver um ambiente propício ao desenvolvimento da cultura da inovação e do empreendedorismo, o que dará sustentabilidade à Incubadora.”

No total serão investidos R$ 5,4 milhões no projeto do deputado Eduardo Barbosa, que inclui o Centro de Tecnologia Assistiva, a Incubadora de Empresas e a implantação de 148 Centros de Inclusão Social em APAES.

Para o diretor do Inatel, professor Marcelo de Oliveira Marques, “ao unir as nossas competências em engenharia com o atendimento às necessidades de pessoas com deficiência conseguimos contribuir com o bem-estar social de uma camada de nossa população que nem sempre tem a oportunidade de contar com produtos ou soluções importadas ou, na maioria das vezes, muito caras.”

Fonte: Inatel

Anúncios