Câmara debate legislação desportiva e doping

O presidente do Comitê Paraolímpico Brasileiro (CPB), Andrew Parsons, participou na manhã desta quarta-feira, 28, da abertura do Seminário de Legislação Desportiva e Doping no Esporte – das Escolas ao Alto Rendimento, na Câmara dos Deputados. A Casa abriu as portas para a discussão de mudanças para a criação de um documento base visando a construção de diretrizes para ações políticas nas áreas.

Em seu discurso, Parsons lembrou que em 2003, um atleta brasileiro do atletismo foi pego no exame antidoping e perdeu a vaga para disputar as Paraolimpíadas de Atenas 2004. O teste apontou o uso de maconha.

“O doping destrói não só ídolos, mas pessoas que buscam esse tipo de artifício para melhorarem a performance. O CPB acredita que existem três formas de combater o doping: educação, testes e transparência. A legislação deve discutir a punição não só para o atleta que usou a substância, mas também quem o orientou. Atrás de todo atleta existe uma equipe. Parabenizo a Casa pela abertura para a discussão de um tema tão importante”, discursou Parsons.

Representando o ministro do Esporte, Orlando Silva, o secretário nacional de Alto Rendimento, Ricardo Laser, ressaltou que o combate à dopagem tem sido uma das preocupações da pasta e que o Ministério tem feito um trabalho alinhado com a Agência Mundial Antidoping (WADA).

“Temos trabalhado para a ampliação da consciência de que o controle de dopagem vai além das competições e do alto rendimento. Estamos finalizando as discussões e elaboração do documento que visa a criação da Agência Brasileira de Controle de Dopagem e devemos enviá-lo para o Congresso nos próximos 30 dias. Além disso, todo atletas, independente da categoria, terá que passar pelo controle de dopagem para conseguir o benefício do Bolsa Atleta”, afirmou Laser.

Os autores do requerimento para a realização do Seminário foram os deputados federais João Arruda (PMDB-PR), Otávio Leite (PSDB-RJ), Flávia Morais (PDT-GO) e Romário (PSB-RJ).