Seleção Brasileira de Judô treina em São Paulo

O Comitê Paraolímpico Brasileiro (CPB) recebeu um reforço para colocar em prática ações que visam a preparação de atletas para as próximas grandes competições: Jogos Parapanamericanos Guadalajara 2011, Paraolímpicos Londres 2012 e Rio 2016. Graças ao convênio firmado com o Ministério do Esporte, o CPB terá R$ 810.391,88 para serem aplicados em projetos para a Seleção Brasileira de Judô.

Reunidos em São Paulo até o dia 17, os melhores judocas com deficiência visual do País encaram a segunda fase de treinamento da equipe, focados no Parapan, que será disputado em novembro. Além disso, em dezembro ocorrerá a 2ª etapa do Grand Prix Infraero de Judô para Cegos, em São Paulo.

Entre as ações contempladas nos projetos estão: o incremento de mais fases de treinamento com contrações de novos profissionais para maior acompanhamento, aquisições de novos materiais, participações em intercâmbios – com objetivo de troca de experiências entre países – e participações em competições internacionais de grande porte.

“Os recursos são muito importantes para reforçar a preparação das seleções paraolímpicas brasileiras rumo a Londres e, consequentemente, o Rio 2016”, afirma o presidente do CPB, Andrew Parsons.

Sistema de convênios
O CPB recebeu R$ 6.343.497,00 por meio de convênio com o Ministério do Esporte para serem aplicados em projetos para as Seleções Brasileiras permanentes de Paranatação, Hipismo Adaptado, Para-atletismo, Tiro Paradesportivo, Futebol de 5 e Judô para Cegos. Além do projeto exclusivo para os Jogos Parapanamericanos de Guadalajara 2011.

O CPB agora trabalha para que novos projetos sejam incluídos junto ao Ministério do Esporte. Com a aprovação e liberação de mais recursos, as seleções de goalball, halterofilismo e esgrima em cadeira de rodas serão contempladas.

O gerenciamento dos convênios é feito por meio do portal Siconv (Sistema de Convênios – http://www.convenios.gov.br), que centraliza todas as informações em uma única base e permite que todos os órgãos – CPB, Secretaria Nacional de Esporte de Alto Rendimento, Ministério do Esporte, Controladoria Geral da União e Tribunal de Contas da União – tenham acesso. O processo, assim, oferece transparência na troca de informações entre as instituições e facilita o trâmite desde a análise inicial do projeto até a prestação de contas.

Fonte: CPB