Paraolimpíadas de Sochi: Dia D menos 1.000

Foi dado início à contagem regressiva dos 1.000 dias que faltam para as Paraolimpíadas de Sochi. No sábado, 11, milhares de voluntários saíram às ruas nessa “capital das férias” da Rússia, bem como em Moscou, Kazan e várias outras cidades, a fim de chamar a atenção para os problemas das pessoas com deficiências físicas.

Os voluntários tentaram resolver alguns desses problemas com seus próprios recursos. Por exemplo, acondicionaram descidas de escadas e instalaram rampas e corrimões suplementares. No mesmo dia foram oferecidos concertos em muitas cidades. E em Sochi foi inaugurado um relógio “inovador” de contagem regressiva do tempo que resta para a abertura dos Jogos Paraolímpicos de Inverno de 2014.

O movimento paraolímpico mundial nasceu há apenas poucas décadas. As primeiras competições esportivas entre deficientes motores foram realizadas em meados do século passado em Stoke Mandeville, na Inglaterra, paralelamente aos Jogos Olímpicos de Londres. A história dos Jogos Paraolímpicos propriamente ditos data de 1960, quando foram organizadas algumas competições em Roma. Na verdade, as pessoas incapacitadas competiam então em estádios não apropriados para as provas, no âmbito do programa básico das Olimpíadas. A situação só mudaria em 1988, em Seul.

Nos últimos anos, os atletas russos têm atuado de forma brilhante nos Jogos Paraolímpicos, sendo constantemente os primeiros colocados em número de medalhas conquistadas na classificação geral por equipes. A campeã olímpica Svetlana Jurova, que é também vice-presidente da Câmara Baixa do Parlamento Federal da Rússia, declarou: “As próximas Paraolimpíadas, as primeiras na Rússia, serão um verdadeiro presente para os atletas de capacidades físicas limitadas.”

Segundo Svetlana, a contagem reversiva dos mil dias se iniciou “em uma nota alta”. Ela explica: “Foram realizados vários eventos interessantes em muitas cidades da Rússia, entre as quais Moscou, Sochi e Novorossiisk. As pessoas comuns puderam experimentar na própria pele o quanto é difícil no mundo contemporâneo a vida das pessoas incapacitadas, as quais ainda por cima praticam esporte em nível profissional. Foram organizadas competições especiais em que as pessoas não portadoras de deficiências deveriam, para poder participar, sentar-se em cadeiras de rodas. Houve também ações beneficentes em que jovens construíram descidas especiais para os incapacitados. Porém, a ação especialmente importante para os deficientes físicos foi a manifestação ‘Cem Mil Votos aos Paraolímpicos’, na qual pessoas sem deficiências desejaram em plena rua sucessos aos atletas paraolímpicos. Foi também posto em funcionamento o relógio que contará os 1.000 dias restantes para as Paraolimpíadas.

Um grupo de voluntários da Universidade Social de Sochi realizou um “flashmob de oportunidades iguais”: depois de formarem com seus corpos a logomarca dos Jogos Paraolímpicos, lançaram centenas de balões de ar para simbolizar a presença da Rússia no movimento paraolímpico. Aconteceu também uma corrida de revezamento em cadeiras de rodas, da qual participaram o prefeito de Sochi, Anatoli Pakhomov, e o presidente do Comitê Organizador Sochi 2014, Dmitri Tchernichenko.

Fonte: Notícias da Rússia

Anúncios