Andre Brasil nada na Europa

Líder do ranking mundial de para-natação na classe S10, o carioca Andre Brasil está na Europa para disputar provas com nadadores convencionais. No último fim de semana, ele participou da etapa catalã, em Barcelona (Espanha), do circuito Mare Nostrum, que reuniu atletas como o sul-africano Cameron van der Burgh (campeão mundial dos 50m peito), o japonês Ryosuke Irie (vice-campeão dos 50m costas e recordista asiático) e o úngaro László Cseh (ex-campeão mundial nos 400m medley e quatro vezes medalhista olímpico com três pratas e um bronze). Nas quatro provas que nadou (50m e 100m livre e 50m e 100, borboleta), o brasileiro ficou entre os 50 melhores.

“Fiquei triste por não ter feito o que gostaria em Barcelona, mas esperançoso, pois Canet começa amanhã e quero acertar tudo que errei lá”, avisa.

Andre se prepara agora para a segunda prova do Mare Nostrum, em Canet (França), nesta quarta e quinta-feira, 8 e 9, onde espera conseguir melhores marcas. Seus próximos desafios já têm data marcada: dia 21, o nadador disputa o Open de Paris, que reunirá os melhores nadadores do mundo – que se preparam para o Mundial de Changai (China) – e dia 29, a Copa Canadense, em Quebec.

“É muito bom competir em alto nível. Pensar que a natação convencional tem atletas excepcionais faz com que minha vontade de um dia ganhar deles ou, quem sabe, chegar ao mesmo nível. É o combustível que preciso para cada vez mais evoluir e progredir dentro da para-natação, que é a minha casa”, afirma o atleta.

Segundo o técnico do nadador, Felipe Domingues, o foco de Andre no primeiro semestre de 2011 é o Open de Paris, onde devem aparecer resultados mais satisfatórios.

“Gostei dos 50m borboleta (25s97), mas em Canet ele deve nadar bem melhor. O Andre tem passado por uma mudança grande em seu treinamento. Foi montado um programa e estrutura exclusiva para ele, que não fica distante do Pro 2016, de Cesar Cielo, que prepara seis nadadores para as Olimpíadas do Rio (2016). Nossos objetivos neste ano são o Open de Paris (que reunirá os maiores nomes da natação internacional) e o Parapan de Guadalajara”, explica.

Ele, que conheceu a natação aos três meses de idade – após diagnóstico de paralisia infantil (poliomelite) por reação à vacina – conquistou quatro medalhas de ouro e uma de prata nas Paraolimpíadas de Pequim (2008) e é dono dos recordes mundiais de para-natação S10 nos 50m livre (23s44), 100m livre (50s87), 100m borboleta (55s99), 50m costas (28s60), 100m costas (1m00s55).

Fonte: CPB

Anúncios