Atletas intensificam treinos para 1ª Paraolimpíada do Piauí

Acostumados a participar de competições em nível estadual e nacional, os 30 competidores da instituição, todos com algum tipo de deficiência intelectual, treinam três vezes por semana e, com a proximidade do início dos jogos, a motivação pode ser percebida em quadra e fora dela, com as indagações constantes sobre o próximo treino e com os depoimentos, todos ao mesmo tempo, sobre as competições já disputadas.
 
“Apesar de praticamente todos os alunos daqui já terem participado de muitas competições, como a Olimpíada Nacional das Apaes, cada evento é uma nova oportunidade de mostrar nosso trabalho, de nos integrar com outros municípios e outros atletas com a mesma deficiência”, explica o treinador Jarbas de Carvalho, há 22 anos professor da instituição.
 
Disputando em modalidades como futebol de salão, basquetebol e atletismo, os alunos não escondem a ansiedade para o início dos jogos paraolímpicos estaduais. “Eu sei que começa dia 30, a abertura, aí até dia 8 é o futsal, a corrida, o basquete e dia 10 é o encerramento. Eu vou botar pra quebrar, tia, vou voltar cheio de medalha”, afirma Raimundo Nonato, 28, antes de voltar correndo para sua posição de goleiro do time de futebol de salão.
 
Com deficiências de níveis diferentes, os alunos interagem à sua maneira e mostram entrosamento em campo. “Aqui, nós temos alunos de 17 a 40 anos, com os mais diversos graus de deficiência, como aquele ali de verde. Olhando você diz que ele não tem nada”, esclarece o treinador.
 
O aluno em questão é Cássio Macedo, 21 anos, que possui déficit de aprendizado agudo, mas, que em quadra, se destaca pela força e destreza. Trabalhando atualmente como empacotador em um supermercado da capital, o rapaz espera poder conciliar os jogos com o expediente do serviço. “Se o professor deixar eu participo, ele tá vendo aí que horas são os jogos, mas nós vamos entrar para ganhar”, afirma, lembrando que já esteve em Brasília, São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais, em competições para deficientes intelectuais.
 
Única mulher da turma, Keilane Nunes não se importa em treinar somente com meninos. “Hoje, não teve treino das meninas e aí eu treino com eles; na verdade, eles é que têm medo de mim”, explica sorrindo. Keilane vai disputar nas modalidades futebol de salão, basquetebol e atletismo.
 
A Apae Cristina Leite, localizada no bairro Piçarra, atende 260 jovens com deficiência intelectual e promove, durante os sábados, um projeto de inclusão envolvendo os moradores da região, que participam de atividades esportivas, como futsal e basquetebol, com os alunos da instituição.
 
Competições
 
A abertura da I Paraolimpíada do Piauí acontecerá no Sesc Ilhotas, dia 30 de maio, e para a solenidade de abertura são esperados 400 atletas, além das apresentações de judô, capoeira e dança. O presidente do Comitê Paraolímpico Brasileiro, Alexandre Parsons, virá à solenidade de abertura.
 
As provas esportivas serão realizadas até o dia 8 de junho, nos seguintes locais: Sesc Ilhotas, na sede da Associação dos Cegos do Piauí (Acep), Academia Eugênio Fortes, Universidade Federal do Piauí (UFPI), Universidade Estadual do Piauí (Uespi) e no estande de tiro do Gate. A premiação acontecerá no dia 10 de junho, na Adufpi.
 
Fonte: Ccom Piauí
Anúncios