Atletas paraolímpicos são referência do esporte em Uberlândia

Três atletas de Uberlândia, que já são referência no esporte paraolímpico nacional, disputaram em Porto Alegre o GP Mercosul de Atletismo.

O esporte foi um desses meios que o campeão brasileiro de arremesso de disco e de peso, Lunier Salis, encontrou de aliviar o peso de perder a visão. Hoje ele só enxerga de 5% a 7%.

No esporte paraolímpico nacional ele domina o arremesso de peso e de disco. Mas outro resultado mostra a maior superação: duas medalhas de ouro em uma competição que só dividiu os atletas por idade.

Disputando com quem enxerga 100%, Lunier fez o melhor lançamento da carreira: 13 metros. E ele não estava sozinho. A recordista brasileira nos 100 e nos 200 metros, Joana Silva, também mostrou que na pista tem como compensar a deficiência visual. Voltou da prova com dois ouros e uma prata.
Já no salto em distância, ficar atento ao aviso de quando pular não foi a única dificuldade de Clayton Pacheco na disputa com atletas sem deficiência. O deca campeão brasileiro paraolímpico afirma que foi complicado se expor. Mas a prata do salto triplo no peito é sinal de que valeu e muito a experiência.

E pode acreditar: esses resultados aumentaram ainda mais o apetite da turma para novas superações.

Fonte:Mega MInas