Tenista é exemplo de superação

Antes mesmo de poder curtir sua infância, Natália Mayara já foi obrigada a enfrentar um grande desafio: lutar pela sobrevivência. Aos três anos, foi atropelada por um ônibus e, por muito pouco, não morreu. Hoje, aos 17 anos, ela superou o edema cerebral e a amputação das pernas para brilhar no tênis em cadeira de rodas. Uma das apostas para os Jogos Paraolímpicos do Rio de Janeiro, em 2016, Natália é a segunda colocada no ranking mundial júnior e a 40 no adulto, e já conquistou alguns importantes títulos na curta carreira.

– Desde que o Rio ganhou a sede da Paraolimpíada, passei a sonhar com uma vaga nos Jogos. Vou me dedicar para poder disputar. Comecei na natação com 12 anos, mas quando conheci o tênis, aos 13, me apaixonei. Gostei do estilo do esporte, porém não esperava alcançar bons resultados tão cedo. Mas, desde o começo, meu técnico (Wanderson Cavalcante) falava que se eu treinasse, eu atingiria meus objetivos – afirmou a jovem tenista.

O acidente com Natália aconteceu no dia 26 de setembro de 1996, em um ponto de ônibus na Avenida Agamenon Magalhães, em Recife, Pernambuco. O veículo subiu na calçada e atingiu a futura atleta, que estava acompanhada da mãe Rosineide. Internada por 95 dias, Natália passou por 12 cirurgias.

Em busca de uma melhor recuperação para a filha, Rosineide levou a família para Brasília quando Natália tinha oito anos. Na capital, recebeu atendimento na conceituada Rede Sara Kubitschek. E o contato com o tênis em cadeira de rodas veio no tratamento realizado na Associação de Centro de Treinamento de Educação Física Especial (Cetefe).

– Eu não lembro do acidente pois era muito criança. Eu sei o que aconteceu porque a minha mãe contou. Lembro dos dias que passei no hospital e que tive uma recuperação muito rápida, embora tenha sido internada com poucas chances de vida – disse Natália que, antes de ir morar em Brasília, já tinha ido à capital federal para realizar algumas das cirurgias no Sara Kubitschek.

Estudante do terceiro ano no Centro Educacional Católica de Brasília, a jovem tenista, que somente se tornará profissional em dois anos, já apresenta uma maturidade e um discurso não muito comuns a atletas brasileiros: ela sabe que a vida de atleta não dura para sempre. E que, por isso, precisa pensar no futuro.

– Um dia o atleta é obrigado a parar. Pode ser por contusão ou pela idade avançada. Então, é preciso pensar em outras carreiras. Eu pretendo cursar arquitetura na faculdade – afirmou Natália.

Quem é ela:

Natália Mayara

Tenista em cadeira de rodas

Data e local de nascimento
Natália nasceu no dia 3 de abril de 1994, em Recife, Pernambuco.

Altura e peso
1,50 m e 47 kg.

Principais resultados
Em simples, venceu as etapas do Circuito Mundial em Belo Horizonte (MG), em junho de 2009, junho de 2010 e agosto de 2010; campeã da Masters Cup Brasil, em Brasília, em fevereiro de 2011. Nas duplas, foi campeã das etapas do Circuito Mundial em Belo Horizonte em 2010; e campeã da Masters Cup Juvenil, na França, em janeiro de 2011.

Fonte: Felipe Mendes, Lancenet

Anúncios