Beneficiados pelo Bolsa-Atleta farão exame antidoping uma vez por ano

Os esportistas beneficiados pelo Bolsa-Atleta serão submetidos a exames antidoping uma vez por ano. O projeto, apresentado pelo diretor da Secretaria de Alto Rendimento do Ministério do Esporte, Marco Aurélio Klein, deve ser iniciado no segundo semestre, e as coletas de material serão feitas fora do período de competições.

– O Brasil deu um passo extraordinário ao planejar o exame antidoping fora de competições em nossos atletas do Bolsa-Atleta. É mais um fundamento importante nesse programa de incentivo ao esporte único no mundo, com a forma democrática que funciona, ao repassar os recursos financeiros diretamente aos atletas – disse Klein.

O governo beneficia atualmente 3.162 bolsistas de modalidades dos programas olímpico e paraolímpico. Ao aderirem ao programa, os atletas estatão autorizando a realização dos exames, que ficarão a cargo do Ladetec, laboratório de testes antidoping da Universidade Federal do Rio de Janeiro (URFJ).

Klein reafirmou o compromisso brasileiro com a Wada (Agência Mundial antidoping, na sigla em inglês) e confirmou que o projeto para a criação de uma agência de controle independente está pronto e será encaminhado ao Congresso Nacional para aprovação.

– Esse procedimento mostra transparência, permitindo que uma entidade independente do governo e de toda a área esportiva possa exercer o controle de dopagem. Queremos participar do jogo limpo, como é chamada a campanha da agência internacional antidoping – contou o diretor.

Em março deste ano, o marchador José Alessandro Bernardo Bagio apareceu na lista de contemplados pelo Bolsa-Atleta mesmo estando provisóriamente suspenso pela Confederação Brasileira de Atletismo desde dezembro por ter sido flagrado no teste antidoping. Dias depois, o esportista, que receberia RS 3,1 mil por mês, teve o benefício cortado.
Fonte – Globo.com