Paraatleta e treinadora criam vínculos de mãe e filho

Para ser mãe não precisa necessariamente ser a biológica. Também não precisa perder uma mãe para ganhar outra. O paraatleta Alan Fonteles, vencedor de vários prêmios, entre eles, três ‘Anéis de Ouro’ do Troféu Romulo Maiorana, é treinado há dez anos por Suzete Montalvão, que com o passar dos anos também assumiu o posto de segunda mãe do atleta.

Mas o que dizer sobre uma relação afetiva e profissional tão longa como essa? Alan entrou na vida de Suzete quando tinha apenas oito anos, quando se inscreveu no projeto ‘Papo Cabeça’, do Governo do Estado. Vindo de família humilde e sem as duas pernas, o garoto encantou a treinadora. ‘Em 2001 eu ainda não tinha treinado nenhuma pessoa com deficiência, apenas as pessoas ditas normais. Mas quando o Alan entrou no projeto, eu o acolhi imediatamente e acabei aprendendo muito com ele’, contou ao Portal ORM.
Mesmo sendo muito pequeno, Alan ainda lembra do dia em que conheceu Suzete e confessa que já começou a sentir um carinho pela treinadora desde o início. ‘Lembro que fui para a Escola Superior e perguntei para Suzete se eu poderia praticar o esporte. Ela me respondeu dizendo que não havia nenhum problema’, conta.
Nesses dez anos de parceria, os dois já conquistaram mais de 80 medalhas e troféus, já viajaram o mundo propagando a força do esporte paraolímpico paraense, inclusive indo às paraolimpíadas de Pequim, em 2008, sendo que Alan, com 15 anos, era o mais jovem atleta da delegação. Mas e a família?

Suzete têm um casal de filhos, Maria Luiza e Samir, seu filho mais velho, apenas 13 dias mais novo que Alan. Mas, o que poderia causar ciúme entre eles, acabou gerando uma grande amizade e fez com que eles se tornassem irmãos de ‘consideração’. ‘ O relacionamento entre os meus filhos biológicos como meu filho Alan é ótimo. Os três são muito amigos, praticavam esportes juntos e acabaram criando um grande elo’, disse Suzete.
Da mesma forma é o relacionamento entre Suzete e Cláudia, mãe do atleta. De acordo com Alan, há momentos em que as duas se unem para dar conselhos aos filhos. ‘São muito amigas, uma gosta muito da outra. E quando é preciso sempre me dão conselhos sobre tudo que acontece na minha vida’, disse Alan.
Sentimento – Próximo do Dias das Mães, nada melhor do que declarar o carinho e o orgulho que cada um tem por fazer parte da vida do outro. ‘Eu me orgulho muito dele, a cada vitória que tem, independente de ser na pista ou no dia-dia, vibro da mesma forma que vibro pelos meus filhos. Sou treinadora, educadora e mãe do Alan com muito orgulho’, ressalta Suzete.
E Alan não ficou atrás. O atleta reconhece cada minuto que passa ao lado de sua treinadora, nos momentos difíceis, bons ou ruins. ‘Sou muito grato a ela por tudo que fez por mim. Por todas as vezes que ela deixou de estar junto com a família, que ela tanto ama, para viajar comigo. Todas as vezes que ela passou o feriado ou final de semana comigo treinando, ao invés de estar no conforto da casa dela. É por tudo isso que eu digo que amo muito ela e pretendo retribuir tudo que Suzete fez por mim, trazendo grandes títulos a ela’, declarou.


 Competição – Alan já está com viagem marcada para o GP (Grand Prix) em Londres. A competição será dia 17 de maio, segundo informou o atleta ao Portal ORM. Alan se prepara para disputar as seletivas e conquistar uma vaga nas paraolimpíadas de Londres, em 2012. ‘Estou muito confiante no tempo que estou fazendo e com certeza estarei disputando as paraolimpíadas’, finalizou.

Texto: Pedro Cavalcante (estagiário Portal ORM)
Edição: Rafaela Costa