Meirelles: União, estado e município devem unir esforços para Olimpíadas

Indicado pela presidente Dilma Rousseff para presidir a Autoridade Pública Olímpica, Henrique Meirelles disse hoje (18) que os desafios do Brasil vão além dos desequilíbrios macroeconômicos, como a falta de mão-de-obra especializada e infraestrutura. Como exemplo, ele citou que há apenas 25 mil quartos disponíveis nos hotéis do Rio de Janeiro, enquanto apenas jornalistas credenciados serão cerca de 31 mil.

Segundo Meirelles, é necessário unir os esforços nos níveis federal, estadual e municipal para solucionar as fragilidades. “Sua superação depende de um consórcio das administrações da cidade do Rio de Janeiro, do estado do Rio e do governo federal”.

Na semana passada, o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) divulgou estudo que mostra que dez dos treze aeroportos que estão recebendo investimentos podem não estar prontos para a Copa de 2014.

A pesquisa indica que os aeroportos provavelmente não terão atrasos em obras relativas às pistas, pátio e terminais provisórios, mas sofrerão alterações em relação aos prazos médios para cumprimento das etapas de expansão.

Apesar das dificuldades, Meirelles afirmou que o fortalecimento do real – com o câmbio flutuante, as reservas elevadas e os fundamentos econômicos “sólidos”- permitem fazer correções “de maneira ordenada e natural” na economia.

“O Brasil tem uma perspectiva de melhor uso de seus recursos naturais e de uma maior exportação de commodities e, ao mesmo tempo, um crescente mercado de consumo doméstico. Tudo isso faz com que haja um fortalecimento da moeda”, disse o ex-presidente do Banco Central.

“Isso tem um lado positivo – mostra que o Brasil tem capacidade de atrair investimentos e que as empresas brasileiras podem se modernizar -, mas uma economia excessivamente valorizada cria problemas de competitividade para a indústria. Se houver sobrevalorização (na moeda), o tempo dirá e isso será inevitavelmente corrigido”, completou Meirelles.

Fonte: Exame

Anúncios