ABRC E CPB organizam 1ª Clínica Internacional de Técnicos de Rúgbi

Entre os dias 3 e 10 abril, a Associação Brasileira de Rúgbi em Cadeira de Rodas (ABRC), em parceria com o Comitê Paraolímpico Brasileiro (CPB), promoverá a 1ª Clinica Internacional de Técnicos, em Niterói (RJ).

Dez técnicos de clubes nacionais inscritos acompanharão uma semana de treinamento da seleção brasileira, composta por 20 jogadores. O evento visa a capacitação dos técnicos brasileiros para que eles desenvolvam com mais propriedade a modalidade em seus respectivos clubes.

“Faz muito tempo que queríamos realizar este evento e finalmente conseguimos. Esperamos alinhar o trabalho dos nossos clubes ao trabalho desenvolvido na seleção, e entendemos que, para isso, precisamos investir nos técnicos nacionais também”, comenta Eduardo Savine, presidente da ABRC.

Os treinos serão comandados pelos técnicos estrangeiros Brad Mikkelsen, dos Estados Unidos, e Marco Dispaltro, do Canadá.

Mikkelsen é um dos percursores do rúgbi em cadeira de rodas nos Estados Unidos e no Mundo. Ele participou da criação das primeiras equipes americanas, foi jogador durante muitos anos e técnico de muitas equipes de nível nacional e internacional.

Além disso, ele presidiu tanto a Federação Americana (USQRA), entre 1988 e 1999, quanto a Federação Internacional de Rúgbi em Cadeira de Rodas (IWRF), entre 2002 e 2010. Atualmente, ele faz parte do Commitê Técnico de ambas as entidades e é técnico da seleção da Dinamarca, que disputa uma vaga para os Jogos Paraolímpicos de Londres 2012.

Dispaltro, por sua vez, participou de dois ciclos olímpicos com a seleção canadense (2000-2008), na qualidade de diretor técnico da Federação Canadense (CWSA), e foi o principal responsável pelo sucesso da seleção na Paraolimpíada de Atenas 2004, quando alcançou a medalha de prata. Também teve participação essencial na conquista do terceiro lugar nos Jogos de Beijim 2008.

Atualmente, é técnico da seleção da Suécia, onde atingiu bons resultados rapidamente. Desde que chegou, em 2008, os escandinavos já foram vice-campeões europeus (2009) e quarto colocados do Mundial de 2010. São os melhores resultados da história do país. Este ano, a seleção busca uma vaga para os Jogos Paraolímpicos de Londres 2012.

Para Luiz Claudio Pereira, vice-presidente do CPB, este evento significa manter a linha de fomento do Comitê.

“Investir nos profissionais significa investir na base. Afinal, são os técnicos que passam o dia-a-dia com os atletas”, finaliza Pereira.

Fonte: CPB